terça-feira, 27 de março de 2018

ElementaL, meu caro Watson!


O Dicionário Priberam define eclético como alguém "que gosta de coisas e pessoas de natureza bastante diversa; que é composto de diferentes elementos, de tendências divergentes." Considero esse, também, o significado da loja Elemental Presentes. Nada mais eclético que uma diversidade de presentes à sua disposição, ou seja, uma “ludjinha” da inclusão: um lugar onde se fala a mesma língua, independente do seu idioma. 

O espaço oferece itens para todas as idades, sexos, credos e conceitos... O único estilo pré-determinado é o gosto apurado das irmãs Helen e Gisele Canella. Vamos conferir um "tiquim" da versatilidade da Elemental Presentes?

🔺 Para CASA:





🔺 Para PROTEÇÃO:


🔺 Para ANOTAR:



🔺 Para USO PESSOAL:
Mochilas, bolsas, necessaires, organizadores, estojos, lancheira térmica, chaveiros... Além de lindas semijoias!


🔺 Para BEBÊ:

Caixa para guardar pequenos tesouros carregados de grande afeto: "Primeiros Dentinhos; Primeira Pulseira; Primeira Pulseira; Primeira Mecha de Cabelo; Meu Primeiro Sapatinho."

Essas belezuras são apenas uma minúscula parte das opções oferecidas. Além disso, sempre há uma vitrine temática, esse mês está repleta de coelhos e ovinhos!

Aproveitando o casal de modelos, este humilde Blog deseja que nesta Doce e Feliz Páscoa você renove o amor, a esperança e a fé!



❤ Elemental Presentes:
➺ Endereço: Av. Getúlio Vargas, 6-25. Loja 6. Bauru-SP.
➺ Telefone: (14) 3245-7922.


quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Fotografia autoral de NÁDIA MARIA




Com linguagem artística própria, fotógrafa bauruense comunica por meio de fotografia suas emoções e pensamentos. Podemos notar a fusão entre a arte e a essência. Observa-se a pura expressão do autoconhecimento e também uma forma de cura, alívio das inquietações. Suas fotografias materializam sua história, recurso visual que extrapola a fala e a escrita, expõem o indizível na sua biografia composta por imagens. Sua obra é seu diário. Apresento-lhes Nádia Maria











Seu trabalho/poesia, infelizmente pouco popular em Bauru, é reconhecido internacionalmente em diversos países, com publicações na National Geographic, Vanity Fair, Juxtapoz, Fubiz, Lomography, L'Oeil de la Photographie, LensCulture. Em 2016 foi considerada uma das "mestras da fotografia" da nova geração, pela Fashion Industry Broadcast. Este ano foi selecionada para participar da 5ª Bienal de Belas Artes e Fotografia Documental em Barcelona. O prêmio é realizado somente com profissionais mulheres.

⬖ Para saber mais sobre o trabalho dessa alma criativa, acesse: 

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Um valor que não tem preço!


Cestos indígenas comercializados pela Cestarias Regio.

Alguns brasileiros padecem da falta de fé em si mesmos, o tal complexo de vira-latas, termo criado por Nelson Rodrigues que perdura, infelizmente, até hoje. Eles veneram outros países e repudiam o Brasil, estrangulam nossa identidade. 

Por sorte, há movimento contrário, pessoas que incentivam a cultura e tradições tupiniquins, prestigiam o artesanato e arte popular brasileira. Entendem que o nosso patrimônio é a nossa origem, esse saber/fazer que atravessa gerações e narra nossa história.

A riqueza do Brasil é a miscelânea! Ainda que sua fundação tenha influência estrangeira, o país construiu seus próprios costumes e particularidades regionais. Sendo assim, devemos valorizar nossas raízes, defender e ter orgulho da própria identidade. A cultura brasileira é belíssima! 

Abaixo fiz uma seleção de ambientes ecléticos que priorizaram e apoiaram os artesãos do meu rico e maltratado Brasil brasileiro. Diversidade de estilos em plena harmonia:


"Casa de Paulo Borges, a imagem de santo, de um artesão de Olinda, está sobre a mesa lateral da Micasa. “Quero levar o artesanato ao design. Só nós, brasileiros, podemos fazer esse reconhecimento”, diz." Imagem e texto Revista Casa e Jardim.

Revista Casa e Jardim.







Cadeira fruto da parceria entre os Irmãos Campana e o seleiro nordestino Espedito Veloso de Carvalho. Imagem Casa Vogue.  

Não despreze essa maravilha! 


quarta-feira, 22 de novembro de 2017

ORIGAMI: a arte de dobrar!

Pangolim. Autor: Eric Joisel.

Dia 11 de novembro o Japão comemorou o Dia do Origami: arte milenar de transformar mero papel em espetaculares dobraduras inspiradas na natureza. Conforme a tradição, não é permitido cortar, colar ou desenhar, apenas dobrar. (Para conhecer a breve história do Origami é só clicar AQUI). Então, para homenagear e celebrar essa cultura, o tema da postagem deste mês será essa técnica tão bela e minuciosa. Fui fisgada pelo anzol do origami e nem me debati...

Elefante de Stephan Weber.

Coincidência ou não, justo no mês que se festeja a referida arte, trombei com a TÊNUE Origamis. Foi um amor à primeira vista. Uma coisa meio pá-pum: olhei e apaixonei! Encantei-me com tamanha criatividade, delicadeza e perfeição. Confira:










Com borboletas no estômago por esses Tsurus na redoma.💕❤

Siga a TÊNUE Origamis no FACEBOOK e INSTAGRAM. Agora... se quiser comprar as fofurices divertidas, acesse o SITE da loja. 

Para finalizar, a árvore de origamis da minha amiga Luciana Ikari:




Conforme a lenda japonesa dos 1.000 Tsurus de origami, aquele que fizer mil tsurus com o pensamento voltado para um grande desejo terá seu pedido atendido ao finalizar o último tsuru. 
O pássaro tsuru (grou) tem vida longa e por isso foi associado à prosperidade, saúde e felicidade.



Conheça a história de Sadako Sasaki, sobrevivente da bomba atômica de Hiroshima que faleceu anos depois pela leucemia causada em decorrência da radioatividade. Durante o período de internação hospitalar, Sadako ouviu sobre a lenda e começou a dobrar os tsurus com esperança na cura. Infelizmente, faleceu antes de dobrar os mil tsurus. Após sua morte construíram uma estátua em sua homenagem: uma menina segurando um grou gigante de papel. Mais detalhes no site JAPÃO EM FOCO.